quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

CURA DO ENVENENAMENTO POR FEITIÇARIA – DAS POÇÕES E PÓS DEITADOS NA COMIDA E BEBIDA



Download do texto integral do blogue em »
http://www.homeoesp.org/livros_online.html




Os feitiços que são dados de modo dissimulado às vítimas, na comida ou na bebida, preparados de várias substâncias tóxicas, são aniquilados por um antídoto, do tipo “purgante mágico”, ministrado por um outro “bruxo”, que provoca vómitos e diarreias, que supostamente deveria expulsar as toxinas ingeridas.
Mas como nenhum “bruxo” usa a magia com fins imorais ou delituosos (dizem-nos eles…), temos uma enorme dificuldade em conhecer tais ingredientes maléficos.

Neste particular, entramos nos domínios da toxicologia, no estudo dos tóxicos, substâncias químicas e naturais isoladas ou misturadas entre si, que têm a propriedade de causar enfermidades e até a própria morte em seres vivos. Falamos de “venenos”. De actos subsumíveis a tipos legais de crimes puníveis pelo Código Penal.
No entanto, na “bruxaria” desconhecemos as poções ou misturas realizadas, tornando-se desse modo impossível conhecer os mecanismos de acção e consequências a curto, médio e longo prazo dos venenos ministrados dissimuladamente nos alimentos ou derramados na pele da vítima. Estamos perante uma arte de envenenamento quase-secreta. 
Existindo cerca de 20 milhões – para mais e não para menos – de substâncias químicas, das quais cerca de 200.000 têm utilização, por onde começar num labirinto de incertezas?

Os envenenamentos com doses sucessivas e que não produzem efeitos agudos no imediato, por não serem suficientemente altas, e cujas substâncias não são detectadas por via das múltiplas limitações científicas da Química e da Toxicologia, fazem com que o agente tóxico causador da enfermidade não seja visto como responsável pela mesma. Fica o paciente possuído por uma intoxicação crónica desconhecida, que em estados subtis não conduz a qualquer diagnóstico, arrastando-se ou agravando no tempo, sinais e sintomas patológicos, que em alguns casos podem conduzir à morte.
Ocorre com frequência em ambiente hospitalar, a incompreensão do quadro clínico do paciente, que muitas vezes progride até à morte, com a sacramental causa: “paragem cardiorrespiratória” – como se exista algum morto sem paragem cardiorrespiratória…
Ou então, vai o mesmo, padecendo de médico em médico, sem obter qualquer resultado para o seu sofrimento, que apenas agrava. 

Repetimos aqui, o que já dissemos no artigo anterior:
“O feitiço é um veneno e o feiticeiro um envenenador. A verificação dos sinais e sintomas de envenenamento por feitiço, não é tarefa fácil, mesmo para os feiticeiros mais experientes. A intuição estruturada em cuidada observação e balizada pelos meios complementares de diagnóstico, bem como pela inoperância da medicina alopática em firmar um diagnóstico concreto, pode constituir-se como um guia mais ou menos seguro.”

Mas mesmo suspeitando que o enfermo esteja “envenenado” por feitiçaria, de nada nos valerá – salvo raras e honrosas excepções – alertar o médico assistente, que em ambiente hospitalar tem inúmeras possibilidades para proceder à sua desintoxicação ou o médico de família, não obstante Paracelso tenha postulado que a diferença entre o que cura e o que mata está na dose

***

Explanamos de seguida protocolos de tratamento, que nunca devem ser administrados sem o consentimento do médico assistente, em ambiente hospitalar ou em ambulatório.


- CONHECENDO-SE A SUBSTÂNCIA TÓXICA


Caso que será raro. 
Aqui bastar-nos-á em princípio administrar o isopático segundo as regras expostas em:

A Cura pela Isopatia 


- NÃO SE CONHECENDO A SUBSTÂNCIA TÓXICA


- FLORAIS DE BACH

CRAB APPLE
(Malus Pumila)
Para estados de desalento ou desespero.
É o remédio da limpeza da mente e do espírito, para os que se sentem de algum modo impuros. 
Se o paciente tiver motivos para crer que está intoxicado ou envenenado com alguma substância, deve dar-se-lhe este remédio.

O remédio é preparado e ministrado segundo as instruções constantes de:

A Cura pelos Florais de Bach
ou


- AUTO-ISOPATIA ENERGÉTICA – UM MÉTODO DE AUTOCURA

Utilizar o método expedito

Ver em:


- CHLORELLA 

Poderoso desintoxicante de todo o organismo – tem o poder de se unir às toxinas, promovendo a sua expulsão do organismo. 
É considerado por alguns naturopatas como o medicamento natural mais eficaz para a drenagem e eliminação de toxinas.
O medicamento pode ser adquirido em parafarmácia ou ervanária. Em cápsulas ou pó, devem seguir-se as instruções do laboratório ou do farmacêutico.



- LIMÃO

Alcaliniza os líquidos corporais harmonizando o metabolismo. 
Poder desintoxicante em cinco sistemas excretores – fígado, intestinos, pele, pulmões e rins.

Caso não exista qualquer contra-indicação, uma limonada por dia – meio limão num copo de água tépida de manhã. 


***


- HOMEOPATIA

Na Homeopatia é fundamental, com o concurso do Homeopata, encontrar o simillimum do paciente.

Veja-se quanto a este:
e
CURSO BÁSICO DE HOMEOPATIA


Se o simillimum não resolver, por existirem barreiras terapêuticas, será necessário recorrer à drenagem do organismo.
A drenagem ou desintoxicação do organismo “envenenado” é de todo essencial, para que o mesmo possa recuperar a saúde ou parte dela. Pela drenagem homeopática dá-se a eliminação de produtos tóxicos através da estimulação do próprio organismo.
Tratando-se de produtos exógenos desconhecidos, na impossibilidade de utilizar a Isopatia, os casos clínicos terão de ser analisados individualmente. 


Alguns medicamentos de drenagem:


ARTICULAÇÕES - Benzoicum acidum, Colchicum e Urtica urens;

FÍGADO E VESÍCULA - Berberis vulgaris, Carduus marianus, Chelidonium, Boldo, Nux vomica, Ptelea, Solidago e Taraxum (Taraxum é um medicamento muito utilizado na desintoxicação – remove as toxinas de todas as células do corpo e auxilia o fígado e a vesícula nas suas funções).

INTESTINOS - Chelidonium, Iris tenax (muito utilizado em desintoxicação), Ginseng, Podophylum, Sarsaparilla, Solidago, Scrofularia.

PELE - Berberis vulgaris, Fumaria, Lappa major, Saponaria.

SISTEMA LINFÁTICO - Galium aparine, Hepar sulphur, Lobelia.

TRATO URINÁRIO – Benzoicum acidum, Berberis vulgaris.

VEIAS – Aesculus, Bellis perenis, Hamamelis.

VIAS RESPIRATÓRIAS – Lobelia.



JOSÉ MARIA ALVES

(BLOGUE PESSOAL)

LIVROS ONLINE




6 comentários:

  1. isso todos nós temos que saber

    ResponderEliminar
  2. Deus seja louvado por sua vida!
    Amo o seu trabalho.
    Rogo a Deus que sempre o abençoe.
    Parabenizo-o pela a boa vontade de publicar seus conhecimentos, sem dúvida o senhor é um bem aventurado.

    ResponderEliminar
  3. Deus seja louvado por sua vida!
    Amo o seu trabalho.
    Rogo a Deus que sempre o abençoe.
    Parabenizo-o pela a boa vontade de publicar seus conhecimentos, sem dúvida o senhor é um bem aventurado.

    ResponderEliminar
  4. Boa noite Amiga

    Bem Haja pelas suas palavras.

    Não, não sou um bem-aventurado, apenas alguém que se tem vindo a dedicar aos que sofrem.
    Não é uma virtude, mas uma obrigação.

    Um abraço fraterno.

    JMA

    ResponderEliminar
  5. Caro José Maria Alves você poderia me indicar algo para a cura definitiva de dermatite atopica venho sofrendo com essa doenças a anos,ficarei muito grato por compartilhar seus conhecimentos.

    ResponderEliminar
  6. DERMATITE ATÓPICA

    Boa tarde Yasmin

    Sugiro que faça -

    HEPAR SULFUR 200 CH, 2 gotas a cada dois dias;
    ARSENICUM ALBUM 200 CH, 5 gotas uma vez por dia.

    Este tratamento deve ser continuado no mínimo por um mês.

    Findo este período reavaliamos.

    Um abraço e as melhoras.

    JMA

    ResponderEliminar